14 de setembro de 2011

algum psicólogo de plantão ae?

por ..bee.. às 00:37
Mas assim, um que aceite fazer consultas online porque eu ando meio sem tempo... Ou então que faça consultas a domicílio, depois das 22h e não tenha objeções a minha garrafa de vinho acompanhar a sessão.

Estou em crise como há tempos não ficava. Estou racionalizando os últimos acontecimentos e pensando bastante sobre a minha vida amorosa no último ano. Uma amiga me passou uma música do John Mayer, Why Georgia?, e eu acho que ela resume bastante o meu sentimento: eu estou vivendo direito? (na tradução literal da música)

Pensando no meu histórico emocional e meus "relacionamentos" com o Rato, o Hippie e esse de agora, percebi que de certa maneira sempre acabo por me envolver com pessoas não disponíveis emocionalmente... Com o Rato existia a distância, com o Hippie existia o amor livre e a política, com esse de agora existe a namorada dele. Será que eu tenho tanto medo/bloqueio assim de ter um relacionamento de verdade que meu subconsciente absorveu isso e só faz com que eu queira investir em situações fadadas a não dar certo? Ou será que todo mundo segue mesmo um padrão? Talvez eu me meta nessas situações porque se por acaso uma delas der certo vai ser um grande "tapa na cara" de todas as outras impossibilidades. Talvez eu goste do "poder" de vencer uma impossibilidade dessas... Uma amiga me disse que, no fundo no fundo, eu fico esperando um cara que esteja disposto a fazer um grande gesto por mim... No caso, abrir mão de coisas importantes na vida deles. Não sei se chega a ser isso. Na verdade, acredito que não seja.

Ainda identifiquei outros dois "problemas" em mim (e que os três relacionamentos têm em comum): um é o fato de que eu não sei desistir das coisas. Quando eu percebi que eu me daria mal no jogo com o Rato, eu ainda assim quis continuar, quis pagar para ver. Com esse de agora a mesma coisa: eu percebi que estava me envolvendo demais e, pior, que eu estava gostando... Então, ao invés de eu "enfiar meu rabinho entre as pernas" e deixar para lá, eu resolvi continuar e ver onde isso me levaria.. Deu no que deu: choro compulsivo na madrugada de domingo porque ele levou a namorada no Engenhão para ver jogo do Flamengo.
Outro problema é que eu não sei terminar as coisas. Li em algum lugar uma vez que "a melhor maneira de esquecer um amor é se jogando em outro".. Talvez isso tenha ficado entranhado em mim de tal forma que é exatamente isso o que eu faço: eu só consigo bater o pé, dizer que acabou e não sentir mais nada por alguém quando eu já estou me interessando por outro. Vivo pulando de paixão em paixão... Do Hippie para o Rato, para o Hippie de novo, para esse de agora... Isso não me parece saudável. Justo eu que me achava uma daquelas mulheres que não precisa estar em um relacionamento para ser feliz.. "um relacionamento tem que ser o transbordamento da sua felicidade, e não a razão dela. tem que servir para te completar, mas não no sentido de que tem algo faltando, mas sim no de agregar..."

Sinto que tenho alguma coisa para resolver em mim para que eu possa lidar melhor com isso tudo, mas não sei exatamente o quê. Será que eu estou vivendo direito? Se a história está se repetindo e eu não estou tendo o meu "final feliz" nunca, eu TENHO que estar fazendo alguma coisa errada... Não consigo aceitar apenas um "não era para ser"...

2 gritos de felicidade:

Ivan on quarta-feira, 14 setembro, 2011 disse...

Bom, psicólogo eu não sou, mas a garrafa de vinho posso ajudar a esvaziar rsrs... Um brinde aos nossos corações doidões!

Jovita on domingo, 18 setembro, 2011 disse...

Olha gata, gostei do post. Maduro, sabe? Você tá colocando as ideias no lugar, com bastante clareza para ti mesma e isso é importante.

 

beah.volgari Copyright © 2012 Design by Giulia Azevedo Vintage Mustache